VIAGENS DE IPUPIARA A SÃO PAULO NA DÉCADA DE 50 DURAVAM 21 DIAS

 

Foto real da década de 50, em Ipupiara 

 Esta é a história incrível de uma viagem de Ipupiara na Bahia, até a metrópole de São Paulo, nos anos 1950. Naquela época, quando não existia uma linha de ônibus direta, os moradores de Ipupiara encontraram uma alternativa para realizar a viagem: o famoso pau de arara, um caminhão adaptado que levava pessoas e mercadorias sobre a carroceria. Embalados pela esperança de uma vida melhor, os passageiros embarcam nessa aventura, enfrentando desafios e presenciando situações curiosas ao longo do caminho.


Capítulo 1: Nas Trilhas de Terra Batida


Os passageiros embarcaram no pau de arara, acomodando-se em meio a mercadorias típicas da época, como bolas de fumo, sal e rapadura. A viagem por terra era árdua, com estradas de terra batida e condições precárias. Os principais alimentos consumidos durante a trajetória eram farrinha de mandioca e rapadura. Nas paradas, quem tinha condição financeira fazia sua refeição, enquanto outros se contentavam com o pouco que possuíam.


Capítulo 2: A Ladeira de Brotas de Macaúbas


Um dos momentos mais marcantes da jornada foi a famosa ladeira de Brotas de Macaúbas, um trecho de descida extremamente íngreme onde os passageiros eram obrigados a descer do caminhão e seguir a pé até o fim da descida. Essa parte do percurso era desafiadora e exigia coragem e exercício físico dos viajantes.


Capítulo 3: Pelas Cidades e Vilarejos


O caminho segue por diversas cidades e vilarejos, como Bom Jardim (hoje Paratinga), Flora, Novo Horizonte, Paramirim, Livramento, Brumado, Guanambi e Urandi. Os passageiros observavam as paisagens, interagiam com os moradores locais e conheciam um pouco mais sobre a cultura e história dessas regiões.


Capítulo 4: Monte Azul - A Parada Necessária


Após uma exaustiva jornada, os viajantes alcançaram Monte Azul, em Minas Gerais, onde embarcaram na famosa maria fumaça, um trem movido a lenha. Durante as paradas, os próprios passageiros auxiliaram no abastecimento do trem com lenha, uma tarefa árdua, porém essencial para a continuidade da viagem. Um fato curioso dessa etapa foi que, devido às faíscas geradas pelo atrito das lenhas nas curvas, algumas pessoas tiveram suas roupas queimadas. Esse pequeno acréscimo incidentava uma pitada de aventura e desafio à já emocionante e cansativa jornada.


Capítulo 5: Rumo a São Paulo


Com o segundo trem, mais moderno e movido a óleo, os passageiros finalmente seguiram em direção a São Paulo. Após longos 21 dias de estrada, a cidade dos sonhos era cada vez mais próxima. A ansiedade e a expectativa tomavam conta de todos.


Capítulo 6: A Chegada a São Paulo e o Custo da Viagem


Finalmente, os viajantes alcançaram a grandiosa cidade de São Paulo. Eles sentiram uma confusão de sentimentos: arrependimento, alegria e expectativa pelo recomeço. A viagem, que tinha o custo de aproximadamente 15 mil réis, um valor específico na época, foi uma experiência inesquecível e uma prova de determinação e coragem.


A viagem de Ipupiara a São Paulo na década de 1950 foi uma jornada cheia de desafios e superações. Os passageiros, transportados pelo pau de arara e pelos trens a lenha e a óleo, enfrentaram estradas precárias, desceram ladeiras íngremes e conheceram histórias e pessoas ao longo do caminho. Essa documentação desses relatos, feita com base nas lembranças de Chico de Godinha, nos permite mergulhar nessa época passada e nos encher de admiração pelos personagens dessa incrível jornada.


Por Matheus Costa

 


        

Postagens relacionadas

Memorias de Ipupiara 5860781601717546177

Postar um comentário Default Comments

  1. Uma observação: Bom Jardim era o antigo nome de Ibotirama. O nome antigo de Paratinga era Urubú.

    ResponderExcluir

emo-but-icon

Diamantina FM

Visualizações de página

Parceiros

 












 


 



 

 


 


Mais acessadas

item