Obras da Ferrovia de integração Oeste-Leste na Bahia avançam em ritmo acelerado.



 As obras de construção do segundo trecho da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), na Bahia, avançam em ritmo acelerado conforme Geraldo Moura, do O Brasilianista. Segundo o jornalista, a Vale assumiu a importação dos trilhos para a construção da ferrovia.

A extensão de trilhos lançados no primeiro semestre deste ano no trecho entre Caetité e Barreiras, na Bahia, com 485 quilômetros, é quase 90% superior ao produzido em toda a construção dessa parte da ferrovia, executada pela Valec desde 2011.

 Conforme publicado pela Agência Infra, o rápido avanço na implantação de trilhos deve-se, de acordo com o diretor-presidente da estatal, André Kuhn, o que permitiu que a Vale importasse da China as 60 mil toneladas de trilhos necessárias para o andamento da obra.

Segundo Kuhn, a Vale comprou trilhos para toda a extensão do trecho, o que representou um gasto de R$ 500 milhões (em valores atualizados). Se essa compra ficasse a cargo da Valec, todo o orçamento de um ano da estatal teria sido consumido nessa aquisição e ainda faltariam recursos, levando à paralisação dos trabalhos. Por ter recebido os trilhos, a Valec pôde gastar somente com a obra de implantação da via, acelerando o processo.

Parte desse trabalho ficou por conta de um Batalhão de Engenharia e Construção do Exército André Kuhn adiantou que a Valec já contratou um novo lote de obras entre os municípios baianos de Correntina e Serra do Ramalho, a serem executadas até o ano que vem. Disse que há recursos orçamentários suficientes na proposta de Lei Orçamentária anual a ser enviada a Congresso (em torno de R$ 250 milhões) para fazer esse lote avançar em 2023.

O diretor-presidente da Valec, André Kuhn destacou aspectos importantes da FIOL para  economia regional e nacional, como geração de empregos diretos e indiretos, redução do custo logístico, redução de acidentes, entre outro benefícios. O Brasil deve exportar muito mais e de forma dinâmica, fazendo o país crescer e gera ainda mais empregos e receita.

 O vice-governador da Bahia, João Leão (PP), que quando era deputado federal (1995-2015) atuo para a viabilização do projeto, considera o projeto um forte atrativo de projetos de mineração. O gestor relatou que 40 geólogos da CBPM e de um consultora contratada estão mapeando o potencia mineral no entorno de todo o trajeto da ferrovia.

 "A Fiol está em cima de uma mina de ferro. Há uma jazida do mesmo tamanho da mina da Bamin"  acrescentou João Leão. Instalada em Caetité, a Bamin investe na construção do Porto Sul em Ilhéus. Segundo Leão, além de ferro, a região tem boas reservas de ouro, níquel, magnésio e fosfato.

Fonte: prefeitura de Salvador 

Postagens relacionadas

Política 6854293275701382276

Postar um comentário Default Comments

emo-but-icon

Diamantina FM

Visualizações de página

Parceiros











 


 



 

 


Mais acessadas

item