Benzedeiras se modernizam: abençoam online e têm até "faculdade" própria



Faz parte da infância de muita gente a imagem de uma avó que ou era benzedeira, ou tinha conhecidas que benziam. A sensação de receber um sinal da cruz pequeno na testa está na lembrança de muitas pessoas que não necessariamente seguiam ou seguem alguma religião. Benzer é uma palavra que significa consagrar algo ou alguém em nome do divino — seja divino o que você considerar como tal. Por mais que a cultura possa parecer antiga, ela se torna cada vez mais atual em um movimento que busca resgatar a ancestralidade das benzedeiras, aquelas que curam com as mãos.  “O benzimento é uma técnica de egrégora completamente independente de religiões. Trabalha com o equilíbrio de aspectos que estejam em desequilíbrio”, conta Pâmela Souza, benzedeira e professora de benzimento e ancestralidade, além de doula. Neta, bisneta e tataraneta de benzedeiras, Pâmela inaugurou a Florescer Bento, escola que forma benzedores, em 2016. Embora sua ancestralidade esteja intrinsecamente ligada à cultura do benzer  — sua avó Rosário era uma conhecida curandeira em Minas Gerais — ela aprendeu, ou “redescobriu”, como gosta de falar, a técnica aos 22 anos, na Umbanda.
Segundo a professora, o benzimento pode oferecer o que a pessoa precisa. Mais do que isso, é possível benzer pessoas, animais, plantas, ambientes e relacionamentos; familiares ou amorosos. Para ela, o resgate por essa prática ancestral, que para muitos pode existir apenas no passado, acontece por uma necessidade de descanso da alma. “O benzimento é um bálsamo. Muitos relatam estarem cansados, mesmo quando descansam. Isso reflete um estado da alma que o benzimento pode equilibrar. É altamente necessário que esse resgate aconteça”, acredita. Além do descanso, alívio de dores físicas e emocionais, acolhimento e expansão da consciência estão entre os efeitos da prática.

Imagem: Divulgação
“Benzer é abençoar, e todos são capazes de abençoar. É algo que flui bem pelos diferentes lados, crenças e religiões”, diz Pâmela. Com a sua "quase faculdade" Florescer Bento, ela já formou cerca de 870 benzedores pelo Brasil, entre homens e mulheres de diferentes idades e crenças. Rafael Strangnetti, de 35 anos, é um deles. "Meu primeiro contato com um benzedor foi ainda criança, minha tia me levava em um senhorzinho que benzia. Como sempre gostei de plantas, banhos de ervas e chás, aprendi a benzer por interesse. Depois, fiz o curso do Florescer, que me mostrou várias ferramentas que poderiam ser utilizadas”, relata Rafael. Entre as ferramentas estão terços, velas e ervas, considerados objetos de poder.

Imagem: Divulgação
Também aluna de Pâmela, Gabriela Righetti se surpreendeu ao fazer o curso, já que esperava um passo a passo mais mecânico. “A prática permite seguir a intuição e se conectar com um saber interno”, conta. Apesar de ser umbandista de família evangélica, Gabriela descobriu, após ser iniciada no benzimento, que sua tataravó, indígena, benzia. “Foi um processo que me trouxe força, conexão com o meu sagrado, com a minha ancestralidade. Passei a me sentir mais segura e a amar ainda mais a minha família, a nossa história e tudo o que meus ancestrais fizeram para que eu pudesse estar aqui.”
Origens e religiosidade
Por mais que muitas pessoas associem a prática ao catolicismo, o benzimento tem origem anterior à religião e não existem informações que documentem a data de seu surgimento. Quanto mais se estuda, mais narrativas são encontradas. "Não é sabido, efetivamente, quando o benzimento começou, mas existem relatos de comunidades celtas e druidas que utilizavam a mesma técnica de cura. Além disso, os índios benzem desde sempre em todo o mundo. Aqui, temos os Pretos Velhos, que foram escravizados e vieram da África. Na Europa, os padres católicos com a água benta… É totalmente ancestral", explica Pâmela.

Imagem: Divulgação

No Brasil o pico da prática aconteceu na época escravidão, quando os escravos tinham o cuidado médico negado. "Muitas vezes era o próprio 'senhor' que provocava os machucados, então a solução que eles encontraram era benzer um ao outro dentro das senzalas. Isso para curar males físicos, emocionais e astrais. Como muitos escravos eram vendidos, existia um intercâmbio dessa cultura e, no final, praticamente toda a senzala sabia benzer. Infelizmente as gerações que vieram depois não conheceram tão profundamente a técnica. Houve um excesso de proteção dessa cultura que levou a sabedoria para o caixão junto com eles", relata.
Para ser um benzedor, é necessário passar por um rito de iniciação, que varia de acordo com a tradição. Na formação ministrada por Pâmela, esse ritual é segredo. E não adianta insistir: “Só quem passa por ele sabe”. Independente da iniciação, o que ela acredita é que a arte de benzer não se aprende, floresce. Por mais que a tradição não esteja vinculada a nenhuma religião, a imagem de Deus é cultuada pelos praticantes. "Não somos nós quem curamos, é Ele", diz Pâmela. Além disso, hoje em dia muitos benzedores misturam a cura com outras técnicas de terapias alternativas, como florais ou Reiki. 
Benzedores modernos
Embora a imagem de quem benze seja a de uma senhora de cabelos brancos com um ramo de ervas nas mãos, a nova geração de benzedores mostra que não existem fronteiras para a cura, sejam elas pessoais ou físicas. Isso se prova pelo fato de que o benzimento é oferecido até mesmo online. É bem simples: basta passar o nome de registro e a data de nascimento, assim a técnica de benzimento à distância é colocada em ação. A taxa de eficácia, segundo Pâmela, é a mesma. A frequência vai depender de quem recebe.

Imagem: Divulgação
Para esses curandeiros, cobrar por um benzimento é considerado totalmente desleal. "O benzimento é um ato de amor e fé, nunca deve ser cobrado", destaca o aluno Rafael. Gabriela, também aluna e benzedeira, explica que antigamente eram feitas trocas ou pagamentos simbólicos, como um prato de comida. Segundo ela, hoje existem outros meios de sustento que não o benzimento. "Se benzer é acolher e abençoar seu semelhante, não faz sentido cobrar. Às vezes querem me pagar por isso, mas, quando acontece, eu peço que a pessoa alimente algum irmão que esteja passando fome. A melhor forma de retribuir uma bênção é abençoado ao próximo", acredita.
"É uma tradição, pra mim benzimento não se cobra e ponto. Todos os benzedores do Florescer Bento são instruídos a não cobrarem absolutamente nada, de nenhuma forma. Para as benzedeiras de 80, 90 anos, levamos um saco de arroz ou dez reais para sobrevivência delas", frisa a professora. A escola tem ambulatórios semanais e um grupo onde atendem em média 1.700 pessoas por mês. "Faço isso porque é o que minha alma ama. Não tem como lutar contra a vontade da alma. O Florescer Bento não é meu. Ele é de uma consciência muito maior que a minha, chamado Vô Antônio, um guia espiritual. Eu só trabalho pra ele e nós trabalhamos para Deus. Lidar com Benzimento é praticar o ato de servir."

FONTE:UOL

Postagens relacionadas

Região 1369407829116773838

Postar um comentário Default Comments

emo-but-icon

Diamantina FM

Visualizações de página

Parceiros











Mais acessadas

Seguidores

item